Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Rute





A comovente história de Rute, que dá o título a este opúsculo, é um idílio pela suavidade e pelo ambiente campestre; um pequeno drama pela variedade e vivacidade das cenas. Apenas um terço de todo o livro pertence ao gênero narrativo, sendo o resto, diálogo.

Os quatro capítulos em que se costuma dividi-lo são como quatro atos no drama; podemos assim resumi-los:

Juízes

Juízes foram chamadas certas personagens insignes que, depois da morte de Josué até à constituição do reino - isto é, desde o século XII ao XI a.C. - libertaram, em várias circunstâncias, o povo de Israel dos inimigos.
Não formaram uma série ininterrupta, mas eram chamados pelo Senhor segundo as necessidades. Eram uma espécie de "ditadores" que, cumprida a missão libertadora, continuavam a exercer autoridade sobre o povo pelo resto da vida. Não dominavam sobre todo o povo, mas só nas tribos que libertavam do inimigo; desta forma não é impossível que alguns juízes exercitassem ao mesmo tempo sua função.

Josué





O livro de Josué toma o nome do protagonista dos fatos nele contidos. Moisés, libertando o povo da escravidão dos egípcios, organizou-o na península do Sinai e o conduziu até às margens do Jordão. Para continuar a mesma missão de Moisés, sucede-lhe Josué. Tinha na sua frente duas tarefas: ocupar a terra de Canaã ou Terra Prometida, expulsando os antigos habitantes, e dividir, o país entre as várias tribos de Israel. O livro de Josué é a narração, ora pormenorizada e viva, ora esquematizada, desta grande empresa. Daí a divisão lógica do livro em duas partes: ocupação da Terra Prometida e sua partilha; segue-se um apêndice sobre os últimos fatos de Josué.

Livros históricos do Antigo Testamento


Introdução
Entre os vários gêneros literários da Bíblia, a história, por sua extensão, ocupa o primeiro lugar. Esse fato já prova quanto a história fosse cultivada pelo antigo povo de Israel. O fato é confirmado pelas fontes de que logo falaremos. E comparando, sob esse aspecto, a Bíblia com a literatura dos demais povos do Oriente antigo, notaremos o lugar preeminente e singular que cabe aos Livros Sagrados. A abundante literatura histórica que os egípcios e os assírio-babilônios, os dois povos mais poderosos e evoluídos da Antigüidade, nos transmitiram, consiste quase toda em documentos, tais como as inscrições dos soberanos, onde se narram com intenção e estilo laudatórios, as façanhas dos mesmos. Mais tarde, entre os babilônicos, surge o gênero, menos oficial e mais literário, da crônica que registra, ano por ano, os acontecimentos mais importantes. Nenhum povo, porém, nos legou, como os israelitas, uma série de escritos que, reunidos, formam como que uma história nacional desde as origens até os tempos do cristianismo; tampouco quadros históricos de períodos particulares comparáveis aos dos Juízes e de Samuel.
Rigorosamente falando, devia figurar entre os livros históricos grande parte do Pentateuco, assinaladamente o Gênesis; estas partes, porém, devido à sua estreita relação com a legislação mosaica, formam um só corpo com o nome de lei.
Os escritos históricos da Bíblia propriamente ditos Livros históricos, pela matéria e pelos caracteres internos, são divididos em três categorias:

Missões Evangélicas 008 - Perseguição e Morte aos Cristãos.wmv