Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Em Apocalipse 2.10 está escrito : "Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida." Ser fiel é manter o compromisso, fazendo o que se deve fazer e evitando o que se deve evitar. Ser fiel a Deus é procurar sempre viver de acordo com a sua vontade, praticando o bem e evitando o erro. Se, eventualmente, cometemos algum pecado, devemos suplicar o perdão e voltar ao procedimento cristão. Nesse caso, caímos no meio do caminho, mas nos levantamos e continuamos na direção certa. Entretanto, existem aqueles que abandonam a vida cristã, assumindo uma postura de infidelidade deliberada. Estes desistiram, desviaram-se do caminho da salvação.

Será que nós, que hoje servimos ao Senhor, estaremos fora do seu caminho amanhã? Até onde você está disposto a ir com Cristo? Até quando você será fiel a ele? "Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida."

O caminhar com Cristo nos leva a lugares diversos, a situações diversas. Pensemos, por exemplo, na caminhada dos discípulos com o Mestre. No início, tudo era agradável; Jesus transformou a água em vinho, multiplicou pães e peixes, curou enfermos, ressuscitou mortos, libertou os oprimidos, etc. Que maravilha! Como é bom andar com Jesus! Mas o tempo foi passando e as circunstâncias foram ficando difíceis. Muitas pessoas foram se levantando contra Jesus e contra os seus discípulos. Fariseus, saduceus, escribas, sacerdotes, líderes políticos, muitos passaram a perseguir o Senhor Jesus, e tudo isso culminou com a sua crucificação.

Andar com Jesus é muito bom, pois esse é o caminho da salvação e da vida eterna, mas no meio dessa estrada existe uma cruz. Os discípulos não esperavam por isso, não contavam com esse lado da vida cristã. Por isso, quando Jesus foi preso, todos os discípulosfugiram. O cristianismo não se constitui apenas das bênçãos que recebemos de Deus. Existe uma cruz no meio do caminho. Cada um de nós tem a sua cruz. Isto significa toda situação difícil em que somos tentados a fazer prevalecer nossa vontade própria em detrimento dos princípios cristãos. Se escolhemos a vontade de Deus, mesmo em meio ao sofrimento, então crucificamos a nossa carne com suas paixões e concupiscências e permanecemos em nossa posição de fidelidade ao Senhor.

Ser fiel a Deus no meio das bênçãos é muito fácil. Ele espera que sejamos fiéis também no momento da dificuldade. Nossa fidelidade deve ser incondicional. Se Deus nos abençoar seremos fiéis. Se ele não nos abençoar em determinada situação, devemos continuar sendo fiéis. Se Deus nos curar ou não curar; se ele atender nossa oração ou não atender; de qualquer maneira nossa fidelidade deve continuar a mesma. Essa foi a determinação de Mesaque, Sadraque e Abedenego. Se Deus os livrasse da fornalha ou não livrasse, de qualquer modo eles não adorariam à imagem construída por Nabucodonozor. Permaneceriam fiéis a Deus.

Vejamos algumas situações em que nossa fidelidade é colocada em prova:

1- Fraquezas e desejos pessoais. Muitas pessoas abandonam a vida cristã sem nem mesmo terem sido tentadas pelo Diabo. Caíram sozinhas. Foi sua própria inclinação carnal que as conduziu à queda. É o caso daqueles que usam qualquer motivo para abandonar o evangelho.

2 - Tribulações, tentações, provações e perseguições. Todos esses elementos podem ser reunidos na seguinte frase: momentos em que fica difícil ser cristão. As pessoas estão contra nós, ou as oportunidades nos sugerem que tudo ficaria mais fácil se negássemos nossa fé e renunciássemos ao nosso compromisso com Deus. Nessa hora, o Diabo pode estar agindo para que desistamos da nossa fidelidade. E Deus espera que fiquemos firmes na vida cristã. Por um tempo determinado, Deus não interfere na situação. Ele deixa que nós decidamos por conta própria se vamos continuar a servi-lo ou não. Observe que quando a serpente tentou Eva ou quando o Diabo tentou a Cristo, Deus não interferiu.

Quando o Diabo nos tenta, ele se apresenta como um "amigo".Parece que ele quer nos ajudar. É o caso, por exemplo, quando um crente desempregado, recebe uma proposta para ganhar dinheiro com algo ilícito ou que contraria os princípios bíblicos. Nessas horas, ele nos oferece justamente o que estamos querendo ou precisando, mas, em troca, ele estará conseguindo seu objetivo: o fim da nossa fidelidade a Deus.

Quando o Diabo nos persegue, ele se mostra como realmente é: nosso inimigo. Nesse momento, vem a perseguição e novamente nossa fidelidade a Deus é colocada em prova.

Vamos resistir a todos esses desafios? Até quando seremos fiéis a Deus? Cada um deve fazer essa pergunta a si mesmo.

Como podemos ter essa fidelidade para com o Senhor? Precisamos ter, antes de mais nada, um propósito firme de sermos fiéis a Deus. Essa é a determinação que devemos ter. Ao invés de ficarmos determinando o que Deus deve fazer, devemos determinar é que seremos obedientes e fiéis a ele. Além disso, devemos adquirir uma base espiritual bem sólida através do conhecimento da Palavra de Deus, a Bíblia. "Escondi a tua Palavra no meu coração para não pecar contra ti." (Salmo 119.11). É através do conhecimento bíblico que seremos capazes de identificar as sugestões do Diabo em nossas vidas, e, assim, poderemos rechaçá-lo dizendo: "Está escrito..." Precisamos também buscar ao Senhor por meio de jejum e oração afim de termos experiências com Deus. Assim, não ficaremos apenas no nível do "cristianismo teórico ou filosófico".

Vamos reforçar nosso fundamento espiritual para que sejamos como a casa construída sobre a rocha, a qual resiste aos ventos, aos rios, à chuva e a todas as tribulações. E toda a nossa fidelidade será recompensada pelo Senhor porque ele disse: "Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida." Vamos recusar as ofertas do Diabo. Sejamos fiéis ao Senhor, e a coroa da vida estará garantida na eternidade.

por PASTOR ABILIO ROCHA

Por que os enganadores prosperam?



Pronto! Resolvi botar a boca no trombone! Chega de tentar tapar o sol com a peneira. A verdade tem que ser dita, doa a quem doer.

Por que os falsos prosperam? Por que os mentirosos se gabam de suas conquistas? Onde está Deus que não faz cair um raio na cabeça desses miseráveis?

Haveria algum propósito nisso? E quanto às milhares de vítimas desses charlatões?

Que unção seria esta que atrai tanta gente? Por que Deus os permite crescer tanto? Por que temos que suportá-los enquanto se esnobam em suas aquisições?

Convido-os à uma breve incursão nas Escrituras em busca de respostas para tais questões.

Paulo diz que havia tempo em que as pessoas não suportariam a sã doutrina, mas "tendo coceira nos ouvidos", se cercariam de mestres "segundo as suas cobiças" (2 Tm.4:3).

Eis o pulo do gato desses obreiros da iniquidade! Eles dizem o que o povão quer ouvir. Por isso atraem tanta gente.

O que as pessoas querem ouvir hoje em dia? Garanto que não estão interessadas em assuntos como arrependimento, santificação, renúncia, cruz, dar a outra face, caminhar a segunda milha. Não! Elas querem é restituição, arrepio, emocionalismo barato, conquista, prosperidade.

Quem quer que diga o que elas almejam ouvir, certamente obterá sucesso em seu ministério.

E mais: querem sair dos cultos com seu ego massageado. Buscam pastores que os acaricie com bajulações, amor hipócrita, elogios.

Ninguém quer compromisso com a verdade, mas com o último modismo. Quer encher a igreja em tempo record? Fácil! Ou entra numa de fazer essas campanhas loucas, sem pé nem cabeça, ou dana a convidar cantores e bandas gospel famosos, empurrando um monte de CD para que os irmãos ajudem a pagar os altos cachês que eles cobram. E assim a famigerada indústria gospel vai sendo alimentada. Louvor e adoração são confundidos comoba-oba. E adivinha quem paga a conta?

Definitivamente, não querem a Verdade! Preferem ser enganadas (desde que seu ego sai intacto!).

Então, Deus lhes dá o que pedem! Isso mesmo que você leu.

Paulo denuncia o ministério da iniquidade, e diz que sua operação e êxito são "segundo a eficácia de Satanás". Alguém ainda duvida que Satanás seja eficaz? Tal eficácia se revela "com todo poder, e sinais e prodígios da mentira, e com todo engano da injustiça para os que perecem". Agora, redobre sua atenção: "Perecem porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. Por isso Deus lhes envia a operação do erro, para que creiam na mentira, e para que sejam julgados todos os que não creram na verdade, antes tiveram prazer na iniquidade" (2 Ts. 2:9-12).

À luz deste texto, podemos dizer que as inúmeras pessoas enganadas por tais ministérios não são apenas vítimas, mas sobretudo, cúmplices. E os falsos mestres nada mais são do que juízo de Deus sobre eles.

Acham que podem barganhar com Deus... então, tomem sacrifício, fogueira santa, encontro tremendo, monte Sinai, amuletos, e por aí vai...

Alguns são até certinhos em se tratando de doutrina, mas suas motivações são excusas, nojentas, interesseiras. Judas os denuncia, dizendo: "Estes são murmuradores, queixosos, andando segundo as suas concupiscências, cuja boca diz coisas muito arrogantes, bajulando as pessoas por motivos interesseiros" (Jd.16).

Estes se queixam de seus líderes, passando a idéia de que estão sendo perseguidos e injustiçados na denominação, para ganhar o coração dos incautos, fazendo-os sentir pena deles, e ódio de seus líderes. Esta estratégia visa preparar o caminho para uma eventual divisão. Queixam-se de uns, enquanto bajulam outros.

São inescrupulosos! Fazem negócio em cima do rebanho que lhes fora confiado. Miseráveis! Deus os destruirá!

Confesso que eu preferia que eles se vissem pregando só para os bancos. Mas a Bíblia é clara:"E muitos seguirão as suas dissoluções, e por causa deles será blasfemado o caminho da verdade. Por ganância farão de vós negócio, com palavras fingidas. Para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme" (2 Pe.2:2-3).

Quantos estragos estes lobos cruéis têm feito em famílias inteiras! Querem se meter até onde não são chamados. Estes são "os que se introduzem pelas casas" (2 Tm.3:6). Casamentos têm sido destruídos por causa de seus ensinos. Filhos preferem obedecer e honrar a eles do que a seus pais.

Apelo aos apologetas de plantão que não dêem trégua a esta raça maldita. Atentem para a admoestação de Paulo: "É preciso tapar-lhes a boca, porque transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância" (Tt.1:11).

Tudo quanto fazem envolve dinheiro. Querem mais, mais e mais. Seu deus é o ventre! Não se contentam com o que têm, e acham que o sucesso ministerial se mede pela ostentação.

Ufa! Eu tinha que dizer tudo isso. Estava entalado.

O que me consola é saber que o tempo do juízo de Deus sobre eles se avizinha.

Paulo nos garante: "Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesta a sua insensatez" (2 Tm.3:9). E mais: Os enganadores "irão de mal a pior, enganando e sendo enganados"(v.13).

Até os sinais que acontecem em seus ministérios são juízo de Deus, para que sejam mantidos em seu engano. Tudo quanto estão plantando, hão de colher. Toda dor que provocaram, hão de sentir na própria pele.

E sabe por quê?

"De Deus não se zomba. Tudo o que o homem semear, isso também ceifará" (Gl.6:7).