Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Pastor norte americano diz: “estão errados sobre o dom de línguas”



O pastor Mark Driscoll da igreja Mars Hill, em Seattle, Washington, recentemente falou sobre o dom de línguas, como descrito no Novo Testamento como parte de sua série de sermões “Atos: Fortalecidos para a Missão de Jesus”. O Reformado conservador, ou neo calvinista, ministro cristão definiu os seus argumentos a respeito de porque ele acredita que o dom de falar em línguas não terminou com os apóstolos de Jesus no primeiro século.

Cessacionistas, como o pastor calvinista tradicional e influente John MacArthur, acreditam que 1 Coríntios 13:8 e outras passagens bíblicas indicam que a capacidade divina de falar em outras línguas ou uma língua desconhecida (glossolalia) terminou com a morte dos apóstolos, assim como revelações proféticas e curas de fé através de indivíduos. Alguns cristãos, no entanto, acreditam que estes dons inspirados no Espírito Santo continuarão até a volta de Cristo.

No trecho do sermão compartilhado on-line esta semana pela igreja Mars Hill, o pastor Driscoll aborda três “perguntas mais comuns sobre o dom de línguas”, listados como: “Podem todos os cristãos ter o dom de línguas? A igreja Mars Hill acredita que o dom de línguas se aplica aos dias de hoje? E o que acontece quando o uso de uma língua particular se torna público?”

Antes de mergulhar em suas respostas, Driscoll insistiu que a única maneira de saber o que pode ser “certo” ou “errado” sobre o falar em línguas é estudando as Escrituras – e não “tomando a nossa experiência e tornando-a normativa.”

Apesar de o texto-chave para o sermão completo, intitulado “Fortalecidos pelo Espírito a seguir Jesus”, ter sido um testemunho de Pentecostes em Atos 2:1-13, o pastor da mega-igreja e autor best-seller olhou para 1 Coríntios 12:8-11 para ajudar enquadrar suas respostas.

Driscoll transmitiu uma parte da passagem: “’Porque a um é dado pelo Espírito … vários tipos de línguas’ – ou idiomas, celestiais ou terrenas – ‘para outro, a interpretação das línguas’ – a capacidade de articular em outra língua o que foi dito na língua estrangeira. “Mas é o mesmo e único Espírito que faz tudo isso. Ele distribui tudo a cada pessoa, individualmente, da maneira que deseja.”

Em relação ao fato de a igreja Mars Hill acreditar que o dom de línguas é uma ocorrência em andamento, Driscoll afirmou sua concordância com o cessacionismo, além de pedir a congregação a considerar a vida no céu.

“Quando chegarmos ao céu, o dom de evangelismo não vai ser tão necessário como é agora. Você diria, ‘Eu vou sair e encontrar as pessoas perdidas. Não há nenhuma. Este é o reino de Deus. Todo mundo aqui já ama Jesus …. Assim, a evangelização chega ao fim”, disse ele, de acordo com a transcrição do sermão.

Ele fe zuma observação de 1 Coríntios 13:8-12, que diz: “O amor jamais acaba. Há dons de profetizar, mas eles desaparecerão. Há dons de falar em várias línguas, mas eles cessarão. Há o conhecimento, mas ele desaparecerá. Estas coisas acabarão, porque tanto o conhecimento que agora temos como o que recebemos por meio da profecia ainda não estão completos. Porém, quando vier a perfeição, aquilo que não está completo acabará. Quando eu era criança, falava como uma criança, pensava como uma criança, raciocinava como uma criança. Quando cheguei a ser homem, deixei de lado as coisas de criança. Agora nós vemos como se estivéssemos olhando para um espelho escuro. Mas, quando a perfeição vier, então veremos claramente. Agora meu conhecimento é incompleto. Mas, quando aquele tempo vier, conhecerei completamente, assim como sou conhecido por Deus.”

“Então, estamos de acordo com os cessacionistas que sim, alguns dons, pelo menos, eles vão cessar. Eles vão cessar”, acrescentou Driscoll. “Em que estamos em desacordo com os cessacionistas e em que nós concordamos com os continuístas é quando que eles [os dons] param. Acreditamos que todos os dons continuam até um momento transitório muito importante na história do mundo.”

Ele continuou: “Então, quando esses dons cessarão? Quando Jesus voltar, quando o vemos face a face. Assim, os cessacionistas têm razão: certos dons chegarão ao fim. Mas o cessacionistas estão errados: o fim deles ainda não veio. E os continuístas têm razão: todos os dons continuarão até que cheguemos a vê-lo face a face, até que Jesus venha novamente”.

O sermão completo, terceiro até agora na série de 10 partes de Driscoll, “Atos: Fortalecidos para a Missão de Jesus”, está disponível no site da Mars Hill Church. Driscoll, de 42 anos, pregou “Fortalecidos pelo Espírito a seguir Jesus” em 9 de junho de 2013, na megaigreja de Bellevue, Washington.

Alguns cessacionistas, como o pastor John MacArthur, cujo Seminário de Mestrado compartilha o mesmo campus com sua igreja Grace Community em Sun Valley, na Califórnia, concorda com a sugestão de Driscoll que o “perfeito” referenciado em 1 Coríntios 13:10 fala de um futuro eterno estado, um período precipitado pelo retorno terreno de Cristo. No entanto, o ministro cristão evangélico aponta para outras passagens que ele acredita que servirá como uma forte evidência de que “as línguas cessaram na era apostólica.” Cessacionistas também argumentam que a conclusão dos escritos do Novo Testamento tornaram a continuação dos dons espirituais carismáticos desnecessários. Os cristãos em geral, no entanto, acreditam que a Bíblia ensina que os outros dons espirituais, tais como ensino, exortação, discernimento e outros, estão sempre presentes para os crentes.

“Dons milagrosos como línguas e de cura são mencionados apenas em 1 Coríntios, uma epístola anterior. Outras duas epístolas posteriores, Efésios e Romanos, tanto discutem dons do Espírito – mas nenhuma menção é feita aos dons milagrosos”, explica uma adaptação do livro de 1992 de MacArthur ‘Caos Carismático’, publicado em site do ministerio do teólogo da Grace to You (GTY). “Por esse tempo milagres já foram encarados como algo no passado (Hb 2:3-4). Autoridade e a mensagem apostólica não precisavam de mais uma confirmação. Antes do primeiro século terminar, todo o Novo Testamento foi escrito e estava circulando pelas igrejas”.

Ele acrescenta: “Os dons de revelação tinham deixado de servir para qualquer propósito. E quando a era apostólica terminou com a morte do apóstolo João, os sinais que identificam os apóstolos já haviam se tornado discutíveis (cf. 2 Cor. 12:12).”

Listando mais uma prova bíblica, a escrita de GTY.org sugere que “as línguas foram concebidas como um sinal para Israel descrente. (1 Coríntios 14:21-22; Cf Isaias 28:11-12) Eles significavam que Deus tinha começado a novo trabalho, que englobava os gentios. O Senhor quer agora falar com todas as nações em todos os idiomas. As barreiras caíram. Assim, o dom de línguas simbolizava não só a maldição de Deus sobre a nação desobediente, mas também a bênção de Deus sobre o mundo inteiro”.

O apoio bíblico final dado identifica o dom de línguas como “inferior a outros dons” e algo que foi “dado primeiramente como um sinal (1 Coríntios 14:22) e foi também facilmente utilizad para auto edificar-se (1 Coríntios 14:04 )”.

“A igreja se reúne para a edificação do corpo, não é auto-gratificação ou busca de experiência pessoal de busca. Portanto, as línguas tinham utilidade limitada na igreja, e por isso nunca foram destinadas a ser um dom permanente”, conclui o recurso da GTY.org intitulado “O dom de línguas”. MacArthur, que vai abordar a questão em sua próxima conferência “Fogo Estranho”, reitera essa visão em um trecho recente de seu comentário em 1 Coríntios, em que ele chama do dom de línguas “o mais polémico dom espiritual em nossos dias.”

Fonte: Christian Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado pelo seu comentário!
Sua participação dá solidez a esta proposta, no entanto preste atenção:

É EXPRESSAMENTE PROIBIDA A POSTAGEM DE COMENTÁRIOS DISCRIMINATÓRIOS, RACISTAS, QUE OFENDAM A IMAGEM OU A MORAL OU DESRESPEITEM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR.

INFORMAMOS QUE O IP DE TODOS AQUELES QUE NÃO RESPEITAREM AS REGRAS DESTE BLOG, ESTÃO DISPONÍVEIS ATRAVÉS DOS SITES DE ESTATÍSTICAS, E SERÃO FORNECIDOS À JUSTIÇA, CASO SEJAM REQUISITADOS POR AUTORIDADE LEGAL.
M. Rocha