Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Não será aprovada “Bancada evangélica será humilhada” diz Feliciano



A disputa política em torno do projeto apelidado como “cura gay”, de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO) foi tema de uma série extensa de publicações do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) no Twitter.

Feliciano afirmou que não crê que o PDC 234/2011 seja aprovado na votação da próxima semana, no plenário da Câmara dos Deputados. A afirmação se deu após o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) afirmar que se empenhará na derrubada do projeto.

Inicialmente, o PDC 234/2011, apelidado como “cura gay”, deveria ser analisado e votado nas comissões de Seguridade Social (CSS) e de Constituição e Justiça (CCJ), antes de ir à votação no plenário. Porém, a manobra do presidente da Câmara levou ao cancelamento desse trâmite.

“Nós evangélicos e cristãos não somos respeitados! A primeira manifestação pacifica foi realizada pelo pastor Silas Malafaia e reuniu 70 mil pessoas! As poucas notas que saíram na imprensa foram, com raríssimas exceções, denegrindo, acusando, expondo ao ridículo nosso manifesto. Nosso povo não é respeitado nunca! 70 mil pessoas aqui na Explanada e nem sequer uma mísera consideração, nem respeito”, desabafou Feliciano, lembrando da manifestação pacífica organizada pelo pastor Silas Malafaia na capital federal.

Segundo Feliciano, o povo evangélico deveria se mobilizar novamente, para protestar contra assuntos que ferem os princípios cristãos: “Se eu tivesse o poder de convocar o faria! Convocaria nosso povo, para virem protestar em Brasília semana que vem com cartazes e faixas. Também convocaria a irem pelas ruas do Brasil protestar contra o preconceito religioso, contra a imoralidade que nos assola. Para protestar a favor da liberdade de expressão! Protestar contra o aborto! Contra a legalização das drogas!”, escreveu.



Por fim, o pastor considerou as manobras do PT uma tentativa de “humilhar” a bancada evangélica e seu trabalho no Congresso: “Covardia! Nós sempre soubemos que o projeto [apelidado como ‘cura gay’] não passaria, pois o PT e outros têm maior número e derrubariam o projeto na Seguridade e na CCJC [Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania]. Para eles não basta derrubar um projeto de um evangélico, é preciso humilhar! Irão humilhar e debochar da bancada evangélica, chamada de retrógrada e fundamentalista. Nos acusarão de preconceituosos, homofóbicos, etc”, afirmou Feliciano.

Posteriormente, Feliciano dirigiu suas críticas ao presidente da Câmara dos Deputados: “A presidenta Dilma se reuniu com a CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil] e a OAB [Ordem dos Advogados do Brasil]; o presidente Henrique Alves se reuniu com diversos representantes e irá atender os pleitos. E nós? Onde ficamos? Como ficamos? No limbo do esquecimento cobertos pelo preconceito religioso, humilhados, esquecidos. O PSOL, o movimento GLBTT, parte da mídia, rotularam o PDC 234 com um apelido podre,aproveitam do momento para mais uma vez me perseguirem. Se movimentam com o apoio do presidente Henrique Alves para transformarem o plenário na próxima semana num Circo! Presidente Henrique Alves fica aqui uma indagação: vossa Excelência soube que dia 5 de junho o pastor Malafaia, numa convocação, colocou 70 mil evangélicos aqui?”, questionou, em tom de contestação.

Em reação à antecipação da votação do projeto apelidado como “cura gay”, o pastor Silas Malafaia fez uma convocação aos seus seguidores para que sejam enviados e-mails a todos os deputados federais cobrando a aprovação do PDC 234/2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado pelo seu comentário!
Sua participação dá solidez a esta proposta, no entanto preste atenção:

É EXPRESSAMENTE PROIBIDA A POSTAGEM DE COMENTÁRIOS DISCRIMINATÓRIOS, RACISTAS, QUE OFENDAM A IMAGEM OU A MORAL OU DESRESPEITEM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR.

INFORMAMOS QUE O IP DE TODOS AQUELES QUE NÃO RESPEITAREM AS REGRAS DESTE BLOG, ESTÃO DISPONÍVEIS ATRAVÉS DOS SITES DE ESTATÍSTICAS, E SERÃO FORNECIDOS À JUSTIÇA, CASO SEJAM REQUISITADOS POR AUTORIDADE LEGAL.
M. Rocha