Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Pastor briga com delegado evangélico porque não quer que casas de prostituição perto de sua igreja sejam fechadas

    


A história está acontecendo em Cachoeira – BA (município localizado no recôncavo baiano). A disputa se dá pelo destino da zona de prostituição da cidade, conhecida como “os bregas”. O delegado Laurindo Neto deseja fechar os prostíbulos nos próximos meses, segundo ele não por seus princípios morais, mas sim por motivos de segurança. Em contrapartida o pastor Jailton Santos, do Evangelho Quadrangular, que ha três meses fundou a igreja no lado do ‘brega de Cabeluda’ – um dos mais antigos – se impõe para que os prostíbulos continuem funcionando ali.

O delegado Laurindo afirma que as casas acabam servindo como ponto de encontro para os traficantes. “Vou entrar com representação na Justiça para fechar esses bregas, pois eles servem de abrigo para traficantes. No entorno dessas casas de brega circula todo tipo de delinquente”, diz. Inclusive, segundo ele, um dos clientes assíduos e Edmilson Bispo dos Santos Júnior, que e fundador do Primeiro Comando Interior (PCI), facção inspirada no grupo criminoso paulista Primeiro Comando da Capital (PCC). “Júnior e seus comparsas usam essas casas de brega com regularidade. Manter esses bregas abertos é facilitar a ação do crime na nossa cidade. Quem quiser fazer sacanagem vai ter que ir para outra cidade”, conclui o delegado.

Confira a integra da polêmica matéria da Revista Piauí sobre o Pastor Silas Malafaia:



A revista Piauí, editada pelo jornal Estado de São Paulo, teve em sua edição de setembro uma matéria especial sobre o Pastor Silas Malafaia, líder da Igreja Vitória em Cristo. A matéria de nome “Um dia com Silas Malafaia – Vitória em Cristo” foi feita pela jornalista Daniela Pinheiro que passou um dia inteiro com o Pastor no mês de agosto. A reportagem, publicada na edição de número 60, acabou causando grande polêmica por utilizar palavras e confirmações do próprio pastor para traçar um perfil crítico que retrata Malafaia como uma espécie de bem sucedido empresário da fé.