Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Oito nações, incluindo a Rússia, não garantem liberdade religiosa

Vários países membros da Organização para a Segurança (OSCE) têm violado os compromissos com a liberdade religiosa estabelecidos pela instituição, de acordo com a Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa. 


"Um número crescente de estados participantes abusaram da autoridade e introduziram medidas que atentam contra o direito dos indivíduos e das comunidades de professarem e praticarem sua religião ou crença livremente", disse Felice Gaer, comissário da organização, na conferência em Varsóvia, Polônia. Ele ressaltou a lista de oito países, em particular, incluindo a Rússia. 

OSCE, uma coligação de 56 países, discute questões como controle de armas, meio ambiente e direitos humanos e é a maior organização de segurança regional no mundo. Os Estados-Membros incluem países da Europa, Ásia Central e América do Norte. 

Alguns membros da OSCE têm permitido ou mesmo aprovado atos de intolerância religiosa, incluindo abusos como a imposição de severas restrições à educação religiosa, proibindo a literatura, rotulando manifestações pacíficas como "extremistas" ou "terroristas" e promovendo a condenação nacional de várias crenças. 

A Lei de Helsinki da OSCE tem sido uma parte integrante de sua dimensão dos direitos humanos. Desde que a lei foi aprovada em 1975, foi expandida para promover a liberdade individual. Em 1989, a expansão de Viena, em particular, fez referências específicas à liberdade religiosa, assegurando a todos os países que confirmam o documento de prestação de igualdade universal. No entanto, estudos recentes realizados mostram que alguns países membros não conseguiram cumprir com os princípios resumidos na Lei de Helsinki e suas expansões. 

A expansão de Viena assinala a obrigação de todos os Estados-Membros de garantir a todos os cidadãos a liberdade de culto, incluindo o direito à educação religiosa privada; liberdade para construir centros de culto; a preservação cultural; e publicação de materiais religiosos. 

Gaer ressaltou na conferência da OSCE em Varsóvia, que a recusa de conceder liberdade religiosa começa ser um perigoso precedente que poderia levar a uma perda de outras liberdades individuais.  “A falta de proteção dos direitos dos membros de minorias religiosas contribui também para a erosão da livre reunião, expressão e outros direitos humanos fundamentais", disse Gaer, de acordo com um comunicado, elaborado por escrito. 

Como resultado do acompanhamento frequente, USCIRF (United States Commission on International Religious Freedom - Comissão Internacional dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa) nomeou Uzbequistão, Turcomenistão, Tadjiquistão, Quirguistão, Cazaquistão, Bielorrússia, Azerbaijão e Rússia como os autores mais proeminentes da injustiça religiosa.

De acordo com a instituição, atos de violência e discriminação ainda foram relatados contra os Protestantes (incluindo tradicionais e pentecostais); Judeus; Muçulmanos; Testemunhas de Jeová e até praticantes de Hare Krishna. Porém, dentre todo o grupos, os protestantes são frequentemente atacados pelos meios de comunicação controlados pelo Estado.

Enquanto Gaer discutia uma série de violações no Oriente Médio, ela também mencionou alguns atos de intolerância religiosa no Canadá, França, Grécia e outros países ocidentais. 

De acordo com a USCIRF, a violência anti-semita aumentou em muitos destes países, incluindo ataques a sinagogas e túmulos judaicos. Atos violentos contra os muçulmanos também têm sido relatados. 

Gaer concluiu seu discurso incentivando a todos os Estados membros da OSCE a manter suas promessas de proporcionar aos seus cidadãos a oportunidade de praticar sua religião livremente e com segurança. 

"Os EUA exigem que os participantes da OSCE Estado a aderir mais aos compromissos com a liberdade de pensamento, de consciência, de religião ou crença," disse Gaer. "As pessoas que pertencem a uma comunidade pacífica religiosa - ou aqueles que preferem uma abordagem secular - claramente merecem respeito e proteção do governo." 


Fonte: USCIR / Redação CPAD News

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigado pelo seu comentário!
Sua participação dá solidez a esta proposta, no entanto preste atenção:

É EXPRESSAMENTE PROIBIDA A POSTAGEM DE COMENTÁRIOS DISCRIMINATÓRIOS, RACISTAS, QUE OFENDAM A IMAGEM OU A MORAL OU DESRESPEITEM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR.

INFORMAMOS QUE O IP DE TODOS AQUELES QUE NÃO RESPEITAREM AS REGRAS DESTE BLOG, ESTÃO DISPONÍVEIS ATRAVÉS DOS SITES DE ESTATÍSTICAS, E SERÃO FORNECIDOS À JUSTIÇA, CASO SEJAM REQUISITADOS POR AUTORIDADE LEGAL.
M. Rocha