Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

calunia.



"Os caluniadores são como o fogo que enegrece a madeira verde, não podendo queimá-la."
(
Voltaire)



"
O homem procura um princípio em nome do qual possa desprezar o homem. Inventa outro mundo para poder caluniar e sujar este; de fato só capta o nada e faz desse nada um Deus, uma verdade, chamados a julgar e condenar esta existência."
(
Friedrich Nietzsche)



"
Mesmo sendo casto como gelo e puro como a neve, ninguém está livre da calúnia."
(
William Shakespeare)



"
Há calúnias contra as quais a própria inocência perde a coragem."
(
Napoleão Bonaparte)



"
A melhor resposta às calúnias é o silêncio."
(
Benjamim Jonson)



"
A língua que calunia mata três pessoas ao mesmo tempo: a que profere a calúnia, a que escuta, e a pessoa sobre a qual se fala."
(
Paulo Coelho)



"
A calúnia torna sempre pior o caluniador e não o caluniado."
(
Charles Caleb Colton)



"
A calúnia não exige provas."
(
William Hazlitt)



"
A calúnia é um fogo devorador, que consome tudo em que toca, e que enegrece o que não pode consumir."
(
Jean-Baptiste Massillon)



"
A calúnia é um assassino moral."
(
Benjamin Constant)



"
A calúnia é sem dúvida, o pior dos flagelos, visto que faz dois culpados e uma vítima."
(
Heródoto)



"
A calúnia é como uma vespa que o importuna e, contra a qual, não se deve fazer qualquer movimento, a não ser que se tenha a certeza de a matar. "
(
Nicolas Chamfort)



"
A calúnia é como uma moeda falsa: muitos que não gostariam de a ter emitido, fazem-na circular sem escrúpulos."
(
Diane de Poitiers)



"
A calúnia e a injúria são armas da ignorância."
(George Sand)

O tijolo




Um jovem e bem sucedido executivo dirigia, em alta velocidade sua nova Ferrari. De repente um tijolo espatifou-se na porta lateral da Ferrari! Freou bruscamente e deu ré até o lugar de onde teria vindo o tijolo.

Saltou do carro e pegou bruscamente uma criança, empurrando-a contra um veículo estacionado e gritou:
- "Por que isso? Quem é você? Que besteira você pensa que está fazendo? Este é um carro novo e caro. Aquele tijolo que você jogou vai me custar muito dinheiro. Por que você fez isto?"

- "Por favor senhor me desculpe!" -implorou o pequeno menino. "- Eu não sabia mais o que fazer! Ninguém estava disposto a parar e me atender neste local."
Lágrimas corriam do rosto do garoto, enquanto apontava na direção dos carros estacionados.
- "É meu irmão. Ele desceu sem freio e caiu de sua cadeira de rodas e não consigo levantá-lo."

Soluçando, o menino perguntou ao executivo:
- "O senhor poderia me ajudar a recolocá-lo em sua cadeira de rodas? Ele está machucado e é muito pesado para mim."

Movido internamente muito além das palavras, o jovem motorista engolindo "um imenso nó" dirigiu-se ao jovenzinho, colocando-o em sua cadeira de rodas. Tirou seu lenço, limpou as feridas e arranhões, verificando se tudo estava bem.
- "Obrigado e que Deus possa abençoá-lo!" -agradeceu a criança.

O homem viu então o menino se distanciar, empurrando o irmão em direção à casa.

Foi um longo caminho até a Ferrari.... um longo e lento caminho de volta. Ele nunca consertou a porta amassada. Deixou assim para lembrá-lo de não ir tão rápido pela vida, sem que alguém precisasse atirar um tijolo para obter a sua atenção.
enviado por email por :beatriz brenner