Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Abuso da doutrina da graça que leva a uma vida religiosa pecaminosa, indolente e frouxa.



Se vocês tivessem oportunidade de ler as muitas epístolas que os antigos pais da Igreja escreveram, então
descobririam que eles sempre se dirigiram ao povo de Deus chamando-os de “os eleitos”. De fato, o vocábulo
comumente utilizado nas conversações diárias, entre muitos daqueles cristãos primitivos, para aludirem uns
aos outros, era “eleito”. Com grande freqúência empregavam o termo para se dirigirem uns aos outros,
ficando assim demonstrado que eles acreditavam que todo o povo de Deus manifestamente se compõe de
“eleitos” do Senhor.
No entanto, passemos a examinar os versiculos bíblicos que provarão, de forma positiva, a veracidade
dessa doutrina. Abram suas Bíblias no trecho de João 15:16, e ali vocês observarão que Jesus Cristo escolheu
o Seu povo, pois Ele mesmo declara: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos
escolhi a vós outros, e vos designei para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça; a fim de que
tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda”. E em seguida, no versículo 19 desse mesmo
capítulo, assegura o Senhor: “Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não
sois do mundo, pelo contrário dele vos escolhi, por isso o mundo vos odeia”.
Verifiquem também o que está escrito em J0ã0 17:8, 9: ..... porque eu lhes tenho transmitido as palavras
que me deste, e eles as receberam e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste.
É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus”. E abramos
ainda as nossas Bíblias na passagem de Atos 13:48: “Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam
a palavra do Senhor, e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna”. Se certos indivíduos
quiserem dissecar em pedacinhos miúdos essa passagem, poderão fazê-lo; mas o fato inegável é que ela diz
“destinados para a vida eterna”, no original grego, tão claramente como é possível dizê-lo; e não nos
importamos com todos os comentários em contrário que têm surgido. Vocês quase nem precisam ser
relembrados a respeito do que ensina o capítulo 8 da epístola aos Romanos, porque confio que vocês estão
perfeitamente familiarizados com aquele capítulo, e que, por esta altura dos acontecimentos, já o estão
compreendendo perfeitamente bem. Lemos ali, nos versículos 29 e seguintes: “Porquanto aos que de antemão
conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o
primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses
também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou. Que diremos, pois, á vista destas cousas?
Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que não poupou a seu próprio Filho, antes, por todos nós o
entregou, porventura não nos dará graciosamente com ele todas as cousas? Quem intentará acusação contra
os eleitos de Deus? Deus quem os justifica”.
( Charles H. Spurgeon)

ELEIÇÃO




“Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus, por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos
escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade, para o que também
vos chamou mediante o nosso evangelho, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo” (II
Tessalonicenses 2:13,14).
Ainda que na Palavra sagrada não houvesse outro texto, além deste, penso que todos nós estaríamos na
obrigação de reconhecer e aceitar a veracidade daquela grande e gloriosa doutrina que declara que, desde o
principio, Deus escolheu a Sua própria família. Entretanto, parece haver na mente humana um arraigado
preconceito contra essa doutrina. Pois embora quase todas as demais doutrinas sejam recebidas pelos crentes
professos, algumas delas acolhidas com cautela e outras com deleite, contudo, no caso dessa doutrina, com
frequência verifica-se desconsideração e repúdio. Em muitos dos nossos púlpitos, muitos considerariam um
grave erro, uma traição mesmo, se alguém pregasse um sermão a respeito da eleição, porquanto eles não
poderiam extrair dali um discurso “prático”, conforme asseveram. Mas é exatamente quanto a esse particular
que penso que eles se desviaram da verdade.
Tudo quanto Deus nos tem revelado, tem-no feito com um propósito em mente. Nada existe nas Escrituras
que, sob a influência do Espírito de Deus, não possa ser transformado em um discurso prático, porquanto
“toda a Escritura” foi dada mediante inspiração divina, e é “proveitosa” para algum propósito espiritualmente
útil. É verdade que um tema desses não pode ser transformado em um sermão acerca do livre-arbítrio
humano — disso sabemos perfeitamente bem —embora possa ser utilizado como base de um prático discurso
sobre a graça gratuita de Deus. E a prática do ensino da graça gratuita é o melhor procedimento possível,
quando as autênticas doutrinas a respeito do imutável amor de Deus passam a exercer a sua influência sobre
os corações dos santos e dos pecadores.
( Charles H. Spurgeon)