Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

É ABSOLUTAMENTE IMPOSSÍVEL NEGAR OS ABSOLUTOS


O ceticismo com relação aos absolutos não é um fenômeno recente. Cerca de 500 anos antes de Cristo, o filósofo grego Heráclito teorizou: "Ninguém entra no mesmo rio duas vezes, pois águas frescas estão sempre correndo nele". Ele argumentou que tudo não passa de um fluxo: nada é permanente e duradouro; nada é imutável senão a própria mudança. O sucessor de Heráclito, Cratilo fez avançar um pouco o argumento. Ele afirmou que ninguém entra no mesmo rio sequer uma vez. Não há absolutamente essência ou substância na vida, apenas movimento. Quando lhe perguntaram se ele existia, Cratilo simplesmente balançou o dedo, indicando que ele também se encontrava num estado de fluxo constante.

Em épocas mais recentes, duas influências apoiaram a opinião de que vivemos num vácuo moral, sem absolutos. Os antropólogos concluíram que muito poucos comportamentos humanos, se é que existe algum, são considerados errados por todos em toda parte. Roubar, mentir, enganar e trair são coisas consideradas erradas pela maioria das culturas, mas exceções foram observadas e comunicadas. Até mesmo tabus morais de longa data, tais como assassinato e incesto, são considerados certos por algumas tribos. Dificilmente algo aceito como errado por um grupo de pessoas não é aceito da mesma forma como certo por outro grupo. Acrescente a este relativismo aparentemente cultural a relatividade científica do tempo e do espaço proposta por Albert Einstein, e é fácil compreender por que as pessoas hoje se opõem à idéia dos absolutos universais.

A negação de que qualquer comportamento é absolutamente certo ou errado por si mesmo também fica evidente na ampla aceitação da ética situacionista, popularizado por Joseph Fletcher nos anos 70. Para Fletcher, a moral não era estática, mas relativa a cada situação. Ele ensinou aos seus discípulos: "Em cada situação moral, faça o que o amor ditar". Parece maravilhoso, não é? Todavia, na mente de Fletcher, agir com amor não era algo absoluto, mas relativo. Ele explicou que, em certas situações, o adultério é a resposta amorosa e roubar é o bem maior. Até matar pode ser justificado em certas circunstâncias, segundo Fletcher. Nenhum ato é intrínseca e absolutamente certo ou errado para todas as pessoas, em todo tempo e em todas as circunstâncias. A moralidade pessoal é mais semelhante ao barro molhado do que ao mármore; ela está sujeita a ser moldada e talhada pala ajustar-se a cada ocasião.

Grande parte da sociedade atual, de acordo com as descobertas antropológicas e a ética situacionista, concorda em que não existem absolutos morais para governar o comportamento humano. Todavia, há uma inconsistência sutil e reveladora em tal negativa. Não é possível negar os absolutos sem usar um absoluto. É como dizer: "Nunca use a palavra nunca" ou '"É sempre errado dizer sempre". Quando alguém insiste em que os absolutos não existem, essa pessoa admite involuntariamente pelo menos um deles! Na verdade, não há meios de evitar os absolutos.

Até Heráclito reconheceu a existência de uma lei imutável – que ele chamou de logos – subjacente ao fluxo constante da vida. Einstein reconheceu que nem todas as coisas podem ser relativas. Ele pressupõe o Espírito (Deus) absoluto, com respeito ao qual tudo mais é relativo. Afinal de contas, não faz sentido dizer que A é relativo a B e C é relativo a D, a não ser que haja um padrão com respeito ao qual A, B, C e D são todos relativos. A mudança absoluta não é mais possível do que levantar a Terra no espaço usando uma tábua e um suporte. Até a mudança é impossível a não ser que exista uma base imutável em relação à qual essa mudança possa ser medida.

O dilema do relativista pode ser ilustrado por uma das histórias de Winnie the Pooh. Winnie, o ursinho encantador, tem um apetite voraz que o leva à porta do Coelho para obter comida. Quando Winnie bate, o Coelho, que não pretende alimentar o urso, grita: "Não há ninguém em casa". Q sábio Winnie responde: "Deve haver alguém em casa, senão não se poderia dizer: 'Não há ninguém'."

Winnie está certo. O Coelho não pode negar a sua presença, a não ser que esteja presente para negá-la. Do mesmo modo, os que negam a existência das absolutos não podem afirmar que todas as coisas são relativas a não ser que haja algum ponto imutável sobre o qual sua afirmação possa apoiar-se. É insensato dizer que tudo é relativo, quando não se permite que até essa posição seja também relativa. Na verdade, o relativista está firmado no pináculo do seu absoluto, a fim de declarar que tudo mais é relativo

Título do original em inglês:

LOVE IS ALWAYS RIGHT   © 1996 de Josh McDowell e Norman Geisler 

Eu grito bem alto parte II.

Ó senhor DEUS ,eu lembrarei dos teus feitos maravilhosos! recordarei as maravilhas que fizeste no passado. pensarei em tudo o que tens feito,meditarei em todos os teus atos poderosos. Ò DEUS tudo  o que fazes è santo não hà deus que seja tão grande como nosso DEUS .tu ès o DEUS que faz milagres; tu tens mostrado entre as nações .pela tua força,salvaste o teu povo ,os descendetes de jaco e de josé.ò DEUS quando as àguas te viram,ficaram com medo,as àguas profundas do mar tremeram.as nvens derramaram chuva, houve trovoadas nas alturas,e os relâmpagos riscaram o cèu em todas as direções. o estrondo dos teus trovões se espalhou por toda parte; os relâmpagos iluminaramo mundo inteiro,e a terra foi sacudida e tremeu.tu andaste pelo meio do mar, abriste ca minho no oceano profundo, mas ninguèm viu as marcas dos teus pès como um pastor, dirigiste o teu povo pelas mãos de moisès e de arão.
fonte: biblia sagrada salmo 77. 11,20