Páginas

"Durma com ideias, acorde com atitude!"

Israel celebra 61.º aniversário da criação estado de Hebreu


Israel celebra hoje o seu 61.º aniversário. O nascimento do Estado de Israel em 1948, apenas três anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, constituiu uma ocasião extraordinária, semelhante a um milagre. Uma pequena comunidade de 600 000 pessoas, rodeada de inimigos, enfrentou com suprema bravura os que tentaram destruí-la e ganharam a sua independência pagando o pesado preço da morte de 1% dos seus filhos. Muitos deles, rescaldo do Holocausto, haviam encontrado refúgio na terra dos seus antepassados.
Israel inicia na noite desta quinta-feira as comemorações oficiais do 61º aniversário da criação do Estado, com o país em alerta máximo contra potenciais ataques terroristas
É com muito orgulho que recordamos que um brasileiro teve preponderante papel na criação do Estado de Israel. Em 29 de novembro de 1947, o diplomata brasileiro Oswaldo Aranha é quem presidia a sessão da ONU que votou pela fundação de dois estados soberanos, decisão esta imediatamente, acatada por Israel. No ano passado, a Confederação Israelita do Brasil junto com a Embaixada de Israel, participou das comemorações desta data magna, viabilizando a viagem de membros da família desse chanceler a Israel, onde eles puderam compartilhar com os descendentes dos então delegados de aclamada sessão, das homenagens prestadas pelo governo israelense. Neste ano, quando o Estado de Israel completa seus primeiros 60 anos, nós, da CONIB achamos por bem homenageá-lo, evidenciando nosso total apoio a essa democracia, e divulgando sua terra, sua gente, sua cultura, sua formação e seu pleno desenvolvimento. Isso se dará, inicialmente, através do apoio já dado a um programa televisivo especialmente dedicado ao país. No decorrer do ano, uma série de atividades relacionadas a data estarão também sendo desenvolvidas, e culminará com a realização de uma reunião de dirigentes e ativistas da CONIB e da comunidade judaica brasileira, em setembro próximo, em Israel, quando também serão comemorados os 60 anos de aliá do Habonim Dror, e a formação do Kibutz Bror Chail, de essência genuinamente brasileira. Com isso, mostramos, em parte, nosso amor e crença nesse Estado forte, acolhedor, soberano e democrático, almejando que ele continue sempre em pleno vigor, para que, daqui a outros 60 anos, possamos estar planejando novas maneiras de juntos brindarmos esse aniversário. Lê Haim e Mazal Tov!
Em 14 de maio de 1948, horas antes do fim do mandato da ONU sobre a então Palestina britânica, o Estado declarou sua independência. Porém, o Dia da Independência é festejado nesta quinta-feira devido ao calendário judaico.
O Estado de Israel não nos foi oferecido numa bandeja de prata. O retorno à terra, depois de dois mil anos de exílio e perseguição, foi manchado de sangue enquanto os nossos vizinhos, que não aceitavam a nossa existência, obrigaram-nos a guerras consecutivas. Porém, não tomámos a nossa existência como garantida. O nosso maior desafio, desde o início, foi a transformação da Mátria dos judeus de todos os cantos do mundo. Nesta tarefa fomos mais bem-sucedidos do que nenhum outro país. Fazendo perigar a sua própria vida, os judeus emigraram de países dispersos, em vagas de emigração de mais de uma centena de diásporas: refugiados descamisados vindos de Estados Árabes, logo nos primeiros anos da nossa existência; judeus perseguidos da Europa de Leste, nos anos 50; nos anos 70 e 90 da antiga URSS; nos anos 80, da Etiópia, numa extraordinária operação.
Conseguimos criar, com todas as diferenças de culturas, línguas e estilos de vida, um mosaico de gente orgulhosa e plena de amor incondicional ao seu país e nação. Juntos, conseguimos desenvolver um país cujo tamanho é um quinto de Portugal, metade do qual é um deserto, uma agricultura avançada graças aos kibbutzim que personificaram os mais elevados valores morais; medicina e ciência de ponta, cultura florescente, literatura, poesia, música; tudo isto num país que hoje tem sete milhões de pessoas, 20% das quais são cidadãos árabes.
Desde o primeiro dia que o Estado de Israel inscreveu na sua bandeira um verdadeiro anseio de paz com os seus vizinhos, o qual nos possibilite viver uma vida serena como os demais povos. O nosso sucesso, até agora, tem sido parcial. Há já trinta anos que temos paz com o Egipto, o maior e mais forte país do mundo árabe, o que corresponde a metade da vida de Israel. Há dezasseis anos atrás, assinámos um acordo com a OLP, o mais amargo dos nossos inimigos. Infelizmente, só uma parte dos palestinianos aceitam a nossa existência na região. Já há quinze anos que temos um acordo de paz com a Jordânia, útil para ambas as nações. Também com alguns países do Magreb, no golfo Pérsico, criámos diferentes níveis de normalização que acreditamos irão levar-nos a futuros acordos.
Falta-nos ainda percorrer um longo caminho de paz e tranquilidade, pois há factores que tentam destruir-nos. No século XX, o mundo democrático ocidental conseguiu derrotar as duas principais ameaças: Nazismo e comunismo totalitário. O mundo livre, de que Israel faz parte, enfrenta hoje outra ameaça existencial: o Islão radical que lidera o terrorismo internacional. Nós somos directamente ameaçados pelo Irão que apela à nossa destruição e tenta adquirir capacidade nuclear; e também pelas organizações terroristas do Hezbollah e Hamas.
Nem todos encaram o perigo como nós. A maioria na Europa prefere, tal como fez em 1938, enfiar a cabeça na areia. Chegou a hora da Europa abrir os olhos. A política de apaziguamento, levada a cabo por vários países europeus, como testemunhámos a semana passada em Durban II, não trará à Europa paz e tranquilidade. A política de alguns países, motivada pela ganância e não por valores morais, gera graves problemas e cria obstáculos na luta contra o terrorismo.
O Estado de Israel, ao celebrar o 61.º aniversário, prosseguirá a saga pela Paz com os seus vizinhos, mas não o fará numa posição de fraqueza. Pedimos aos nossos amigos europeus que nos ajudem a fortalecer o Processo de Paz no Médio Oriente, actuando com firmeza contra os elementos extremistas. Só desta forma, e não exercendo pressão sobre Israel, fortaleceremos os países árabes moderados, possibilitando-lhes estreitar os laços com Israel para benefício de todos.
 fonte: http://ramosdaoliveira.blogspot.com/2009/05/israel-celebra-61-aniversario-da.html 

Um comentário:

  1. paz do senhor pastor...emfim consegui entrar em seu blog,ta uma bencao abraco a todos.....sueli e familia

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo seu comentário!
Sua participação dá solidez a esta proposta, no entanto preste atenção:

É EXPRESSAMENTE PROIBIDA A POSTAGEM DE COMENTÁRIOS DISCRIMINATÓRIOS, RACISTAS, QUE OFENDAM A IMAGEM OU A MORAL OU DESRESPEITEM A LEGISLAÇÃO EM VIGOR.

INFORMAMOS QUE O IP DE TODOS AQUELES QUE NÃO RESPEITAREM AS REGRAS DESTE BLOG, ESTÃO DISPONÍVEIS ATRAVÉS DOS SITES DE ESTATÍSTICAS, E SERÃO FORNECIDOS À JUSTIÇA, CASO SEJAM REQUISITADOS POR AUTORIDADE LEGAL.
M. Rocha